quinta-feira, 15 de outubro de 2015

A democracia fragiliza quando crescem as práticas "dos fins que justificam os meios"

Câmara dos Deputados

Em defesa de Lula, Wadih Damous diz que PF tem 'comportamento de polícia política'

Em discurso na tribuna, parlamentar petista e ex-presidente da seção do Rio de Janeiro da OAB afirma que ex-presidente é a "mais recente vítima de desmandos e desvarios", motivados pelo medo das urnas
por Redação RBApublicado 15/09/2015 16:45
Comments
Em discurso na tribuna, parlamentar petista e ex-presidente da seção do Rio de Janeiro da OAB afirma que ex-presidente é a "mais recente vítima de desmandos e desvarios", motivados pelo medo das urnas
Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Wadih Damous
Para deputado, há "um anseio de determinadas autoridades na busca de seus 15 segundos de glória"
São Paulo – Em discurso na tribuna da Câmara dos Deputados no início da tarde de hoje (15), o deputado federal Wadih Damous (PT-DF) afirmou que a Polícia Federal tem adotado, em alguns casos, um comportamento político. “Fico muito preocupado quando determinados segmentos da PF passam a se comportar não como polícia, como órgão de Estado, mas como polícia política.">>>

Ex-presidente da seção do Rio de Janeiro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Damous disse que a postura de alguns policiais ofendem o Estado democrático de direito e citou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como vítima de tais práticas.
“A vítima recente desses desmandos e desvarios é o ex-presidente Lula. O que move determinado tipo de atitude e comportamento é o medo das urnas, o medo da volta do ex-presidente Lula, o medo de enfrentá-lo num embate democrático direto”, discursou Damous, em referência à atitude do delegado Josélio Azevedo de Sousa.
Na semana passada, o policial pediu ao Supremo Tribunal Federal para ouvir Lula em inquérito da Operação Lava Jato, mesmo reconhecendo não haver provas contra o ex-presidente. “Não vou dizer que ele tem carteirinha assinada em algum partido de oposição”, afirmou Damous. “Vou dizer que ele não tem condições funcionais de ser delegado da Polícia Federal. Deveria ser imediatamente afastado do seu cargo, porque não tem conhecimento técnico-jurídico mínimo para exercer uma função tão importante.”
Damous acusou o delegado de "sair da sua obscuridade para ganhar os holofotes, como aliás está virando moda, um anseio de determinadas autoridades, de juízes, membros do Ministério Público na busca da celebridade, na busca de seus 15 segundos de glória, e isso às custas até de perseguir a maior liderança popular deste país".
Segundo o parlamentar, o país está assistindo a uma série de atitudes e comportamentos injustificáveis de autoridades públicas e órgãos de Estado. “Em nome do combate à criminalidade e sobretudo do combate à corrupção, praticam verdadeiros atentados à ordem jurídica e desrespeitos aos direitos e garantias fundamentais.”
Postar um comentário